REDAÇÃO FLY BY NIGHT

Entrevista com Gromma

Ele é a próxima grande atração do Muinho. #SaveTheDate

17/05/2017 | 20:34 - por Redação FBN
Entrevista com Gromma

A próxima grande atração do Muinho está entre os nomes de maior destaque da cena nacional. Aliás, os ingressos para esta grande noite já estão à venda via ONNI, e tem mais infos na página do evento.

"A expectativa é a melhor possível! Vários amigos já tocaram lá e ouvi falar super bem. Estou animado, pretendo fazer um set com o que mais me toca e dá prazer. Do house ao techno, sem precedentes e nem rótulos", afirmou logoGromma
E-Music
Gromma
.

Sim, dia 20 de maio, logoGromma
E-Music
Gromma
estreia em Farroupilha. Exímio seletor de técnica apurada e singular ousadia estilística, o curitibano, que tem residência do logoWarung Beach Club
Itajaí - SC
Warung Beach Club
e logoClub Vibe
Curitiba - PR
Club Vibe
, ainda é figura certa em clubs e eventos como logoTribaltech
Curitiba - PR
Tribaltech
, logoD-Edge
São Paulo - SP
D-Edge
, logoCreamfields Brasil
Florianópolis - SC
Creamfields Brasil
, logoDeputamadre Club
Belo Horizonte - MG
Deputamadre Club
, Terraza, logoLevels
Porto Alegre - RS
Xangri-Lá - RS
Levels
, e por aí vai.




Em 2006, logoGromma
E-Music
Gromma
deu o start na carreira. Dois anos mais tarde, já estava no comando dos decks do logoClub Vibe
Curitiba - PR
Club Vibe
, onde, em 2010, cravou residência. Já no ano seguinte, entrou para o casting da D.Agency, estreiou no logoD-Edge
São Paulo - SP
D-Edge
, e também tocou pela primeira vez na logoTribaltech
Curitiba - PR
Tribaltech
. Em 2012, foi a vez de estrear no logoWarung Beach Club
Itajaí - SC
Warung Beach Club
. De lá pra cá, os passos só aumentaram. Em 2014, veio a primeira tour gringa, passando pelo Tresor Club, em Berlim, e encarando o respeitado Amsterdam Dance Event; além da participação em uma das edições renomado Boiler Room. Sem falar na a entrada para o crew dos Savages, em 2016.

Pois bem! Sem maiores delongas, o FBN aproveitou essa super ascenção do artista para conversar sobre carreira, residências, parcerias e, claro, música. Com a palavra: logoGromma
E-Music
Gromma
!!!!



Há muito tempo você é residente do logoClub Vibe
Curitiba - PR
Club Vibe
, e agora está como Savages também, né? Como foi receber esse convite pra residência no Warung?

Foi um prazer imensurável! Me sinto lisonjeado em poder fazer parte do time dos Savages, sou grato e posso dizer que me sinto em casa. Acredito que o convite aconteceu, devido as minhas várias apresentações no club e também por causa de uma ótima relação com o staff e público.

E a parceria com a D.Agency? Como é ser um artista do casting da agência do logoD-Edge
São Paulo - SP
D-Edge
? Já tem alguma gig fora do país prevista pra esse ano, ou alguma coisa marcada no Brasil mesmo que queira destacar?

A parceria começou em 2011, à convite do Renato Ratier. Já havíamos tocado juntos algumas vezes e criamos uma boa conexão. Rola um trabalho em equipe na D.Agency. Artista e agência tem que caminhar juntos em direção um objetivo em comum, alinhando expectativas e ideias, semanalmente, para que o trabalho seja consistente para todos. O DJ precisa do direcionamento da agência, assim como a agência precisa saber onde o DJ quer chegar com sua música. Em relação às próximas gigs, no mês que vem viajo para a Europa novamente, onde tocarei em duas festas do Warung Tour (uma em Barcelona e outra na Grécia), além de tocar em mais dois gigs em Portugal. Retornando ao Brasil me apresentarei em julho no Warung em noite assinada pelo Watergate.

Das festas que tocou este ano que já está quase na metade, quais mais gostou? E pro segundo semestre, tem alguma grande expectativa?
Difícil escolher uma só, mas posso dizer que as noites em minhas residências foram muito boas! O aniversário de 17 anos do D.Edge também foi muito especial, além da logoLevels
Porto Alegre - RS
Xangri-Lá - RS
Levels
em Porto Alegre, festas no Paraguay - onde tenho uma ótima relação com o público-, e por aí vai. A lista é grande! (risos).

Pode-se dizer que vinyl é uma grande paixão? Você tem tocado com vinil?
É uma relação de amor e ódio. (risos) Há um bom tempo venho comprando discos por correio e nas viagens que faço para o exterior. Vinyl tornou-se uma paixão e vejo tudo isso como um ótimo hobby. No Brasil, o acesso ao vinyl é extremamente difícil, a moeda está desvalorizada e o correio brasileiro é péssimo… Muitas vezes, as encomendas chegam danificadas, sem contar o risco de ser taxado com um imposto abusivo aplicado nesse país. Música é cultura e na minha opinião deveria ser isenta de impostos. Outra dificuldade encontrada é que clubs e promotores não estão nem aí para esse formato, então, os toca-discos estão na grande maioria das vezes sucateados e a cabine raramente está preparada contra trepidações e ressonância de graves. Porém, quando o gig é especial e o local tem as condições mínimas para tudo ocorrer bem, eu incorporo esse formato nas minhas apresentações. Já em casa, sempre tem um disquinho girando, é muito prazeroso.

O que você tem mais tocado e ouvido? O que recomenda?
Prefiro não rotular e estou sempre aberto às novidades e sons diferentes, dentro do que mais me agrada: do house ao techno.



Produção? Tem algum projeto? O que pensa sobre isso?
Muitos dizem que atualmente a Produção Musical é essencial para o sucesso de um DJ e que “se você for um DJ que só toca músicas dos outros não conseguirá crescer, a menos que tenha bons contatos”. No meu caso, me enxergo apenas como DJ. É o que me dá prazer e o que sei fazer de melhor. DJ é DJ, Produtor é Produtor. São coisas completamente distintas. Pode ser um grande diferencial para o DJ ter suas próprias faixas e com certeza isso pode alavancar sua carreira, mas não é necessariamente obrigatório. Cansei de ver produtor de renome fazendo péssimos sets e DJ que não possui música própria fazendo sets absurdos. No ponto de vista de mercado com certeza quem tem produção própria vai se diferenciar sim. Mas também acredito que se você for bom naquilo que se propõe a fazer vai receber seu devido destaque - seja como apenas DJ, apenas produtor ou ambos. Pode até tardar mas não falha. Quanto ao futuro, eu penso muito nisso sim. Estudar para fazer algo realmente com identidade e alma, ou até mesmo me juntar com alguém que domine a arte da produção para que possamos trocar experiências criando um duo, sei lá… As possibilidades são infinitas e temos um longo caminho pela frente ainda.

Voltar para redação