REDAÇÃO FLY BY NIGHT

[THE RESIDENTS] Entrevista com Fabbio

"O mundo da música eletrônica é recheado de oportunidades ainda não exploradas."

10/08/2017 | 15:04 - por Matth
[THE RESIDENTS] Entrevista com Fabbio

“A música subiu de nível e virou um business que vai contra a crise”, afirma logoFabbio
E-Music
Fabbio
, o próximo entrevistado do projeto [The Residents]. Ele que tem uma vasta experiência se tratando de música, show business e empreendedorismo, com um trabalho ímpar de fomento a cena, é residente do Taj e fundador do DJ Room TV.



Além de DJ, você é um grande fomentador da música eletrônica, como tudo isso começou?
Tudo começou lá em 1998. Ainda bem jovem, com 16 anos. Era o começo da música eletrônica no Brasil. Em Curitiba, tinha um club chamado Legends Underground Club, que foi um dos responsáveis pela música eletrônica aqui no sul. Achava demais a arte de vinil e músicas. Vendi umas coisas e comprei meus primeiros discos. Era complicado, pois somente em SP haviam poucas lojas. Arrumei um par de pick-ups e ai foi o mais puro treino. Até que um dia, me vi mixando as primeiras batidas. Joinville, com o Melão Jungle Club, foi uma das minhas primeiras pistas. Na época, a cena fervia por lá. Mas foi em 2005, já na faculdade que decidi que era isso que queria profissionalmente. Me dediquei até mesmo na faculdade em direcionar o que podia para esse setor. Nessa época também me tornei DJ da Coca-Cola PR-SP. Daí em diante, foi seguindo o fluxo, até hoje!

Você é residente do TAJ que é uma casa super conceitual e única. Como você alcançou esse marco na sua carreira, sendo que, para esse posto, é preciso muita sintonia com o propósito da casa?
O convite oficial do TAJ veio há cerca de dois anos. Era muito amigo do saudoso Felipe Kojake (que nos deixou este ano) e toquei as primeiras vezes sempre a convite dele. Tivemos até a festa de dois anos do DJ Room TV por lá. Eu já tocava algumas músicas que agradavam a pista do TAJ. Até que o produtor artístico de lá, o Gustavo Uai, me convidou para ser residente. Hoje, o TAJ tem quatro casas no Brasil, localizadas em Curitiba, Balneário Camboriú, Foz do Iguaçu e Brasília. Este ano, ainda abre a quinta unidade em Asunción – PY. O legal é que podemos tocar eventualmente em todos os bares do grupo. Então anualmente, passamos por todos os bares, duas, três, quatro vezes.



Devido a residência, você acaba tocando muitas vezes na casa durante o ano. Como fazer para que o público continue interessado nos seus sets?
A residência foi um aprendizado, mesmo com anos de experiência, sempre tem algo novo para se conhecer. O trabalho do DJ residente é muito diferente, afinal, você tem que conhecer a pista (no caso do TAJ são quatro diferentes). Vale lembrar que o TAJ é um LOUNGE BAR - e nem sempre temos uma pista fervorosa. Mas aí que é a parte boa de ser residente do TAJ. O que permite ter várias opções de sets. As datas são flexíveis, então acabo tocando em dias variados e horários variados. Às vezes, o ambiente permite e exige um som mais lounge, nu-disco. Alguns dias já tem uma pegada mais house, chegando até a alguma linha mais pop-dançante. Isso facilita a relação com o público. Assim, os sets raramente são parecidos.

Você também é fundador do DJ Room TV, veículo pioneiro em transmissão ao vivo de eventos em livestream no Brasil, que inclusive esteve de aniversário recentemente. Como é gerenciar esse canal?
O DJ Room TV é meu segundo filho. Surgiu quando a noite estava estagnada e sem espaço para DJs talentosos. Em 2011/2012, já assistia os livestreams europeus - especialmente o Boiler Room. E percebi que este poderia ser uma grande oportunidade de mostrar os talentos que não tinham espaço. Tentei contato para trazer o formato para o Brasil, mas algumas barreiras não permitiram. Foi aí que surgiu o formato similar, com o nome DJ Room TV. Desde o projeto, o DJ Room já era uma empresa com algumas pretensões e alguns objetivos planejados. Eram programas dominicais e pontuais. Na nossa quinta edição, tivemos um “boom” de audiência, tanto física como online. Mas foi só em 2014, durante o logoRio Music Conference
Rio de Janeiro - RJ
Rio Music Conference
, que pudemos perceber o valor e reconhecimento no mercado. Afinal, éramos o primeiro livestream com qualidade de imagem, sem quedas de internet e abrindo espaço para inúmeros talentos antes ignorados pelo mercado. Foi legal sermos referência para o Brasil e hoje fico feliz em ver que já impulsionamos vários talentos. Ajudamos o mercado a abrir mais oportunidades e ver muita gente inspirada em nosso projeto. Mas como toda empresa, em 2016, tivemos uma reformulação estrutural, baseado no nicho de mercado e criamos serviços essenciais para DJs e produtores, através de nosso estúdio. Hoje, o DJ Room TV funciona com festas próprias, serviços de livestream e edições em estúdio, que certamente fomentam a cena nacional.

O começo!

Em 2013 começamos uma história que estava prestes a VALORIZAR e MUDAR a cena local.
E assim fizemos, abrimos um espaço, antes restrito, para os grandes talentos escondidos do mercado. Quebramos barreiras, dificuldades técnicas e levamos na sua casa, celular, club e em qualquer lugar TRANSMISSÕES AO VIVO com muita música de qualidade.

De Curitiba para o Brasil, fomos longe e hoje somos referência no mercado e conseguimos através dos nossos vídeos criar um material que permite ao artista mostrar seu trabalho verdadeiro.

Agora abrimos ainda mais nossas portas e trouxemos o primeiro nome internacional de expressão no mercado. Imagina quem pode ser?

AGUARDE, 16 de Julho, DJ Room TV 4 anos com atração internacional

SUPPORT YOUR LOCAL DJS!

Publicado por DJ Room TV em Quinta-feira, 22 de junho de 2017



Estamos vivendo um momento fascinante da música eletrônica brasileira. Como você vê o nível da música feita aqui?
Já tem uns dois anos que tomou muita força no Brasil. Acredito que tenha muito mais a crescer. Ainda são poucos artistas que já estão lá fora, mas mesmo assim, vejo que cresceu muito, perto de 15 anos atrás. Tem muita gente boa produzindo e tocando aqui. A crise financeira também ajudou muito a valorizar o mercado local, afinal, com o dólar alto, fica muito difícil trazer artistas internacionais. Isso faz com que os produtores optem por atrações locais. Que aliados à excelente música produzida nacionalmente ajudaram o mercado crescer. A música subiu de nível e virou um business que vai contra a crise. Nomes como logoVintage Culture
E-Music
Vintage Culture
e logoAlok
E-Music
Alok
, que alcançaram sucesso mundial no mainstream, além dos residentes do Warung e o logoRenato Ratier
E-Music
Renato Ratier
pelo cenário underground. Apesar de estar crescendo, estamos no caminho e tem muita gente para explodir lá fora ainda.



Após todo esse tempo conectado com a música, o que te faz manter essa pré disposição em seguir empreendendo e envolvendo-se com tudo isso?
Esse crescimento do mercado sempre deixa qualquer um disposto. O mundo da música eletrônica é recheado de oportunidades ainda não exploradas. É muito especial, tem música, arte e resulta em muita cultura. Para quem leva como profissão, ainda tem muita coisa nova pela frente, é um mercado de alto consumo, em tudo que há relação e se você parar de criar necessidades para este nicho, tudo acaba. Especialmente por ser um mercado novo. Acho que ainda tem muita coisa pela frente, em especial com o DJ Room TV que logo mais lançará novidades que vão acelerar o mercado. Precisa mais encanto que isso? (risos)

Muita gente se interligou contigo através da música durante todos esses anos. O que diria a essas pessoas que fizeram e fazem parte da sua trajetória?
Nossa, a mais difícil de responder! São muitas pessoas, mais de 500 DJs só no DJ Room TV. Mas tem algumas pessoas e empresas em especial que sempre me deram suporte, como o logoRio Music Conference
Rio de Janeiro - RJ
Rio Music Conference
, o Espaço Vicente (os primeiros a acreditar no projeto), a NOS Energy Drink, nosso primeiro patrocinador, Riad Omairi, Ambev, DM7, as escolas Aimec e Yellow, Voort Clothing, logoTite Clausi
E-Music
Tite Clausi
, Picture In Box, logoBoghosian
E-Music
Boghosian
, Trip Bar, WareTI, logoCitra Bar
Curitiba - PR
Citra Bar
e claro o TAJ Bar. Tem muita gente que se envolveu, que já trabalhou com o DJ Room TV, são tantos nomes que precisaria um dia pelo menos para escrever todos aqui. Mas garanto que sem eles nada teria acontecido. Para quem participou ou ainda quem quer participar, as portas sempre estarão abertas! O tempo e a evolução dos negócios as vezes não permitem estarmos em contato frequentemente, mas sempre estou online para responder a todos. Muito obrigado mesmo, de coração, e não desistam dos seus sonhos!

Voltar para redação